terça-feira, 16 de novembro de 2010

em frangalhos

Acho que já disse aqui que Tito anda super agarrado comigo. Há quem diga que é da idade (quase 1 ano e 3 meses). Espero que seja e que passe logo. Nunca me senti tão indispensável na vida de ninguém, nem na da minha mãe! E é lindo e totalmente desesperador não poder ser tudo que o outro quer e espera de você. É claro que ao longo da vida lidamos com esse limite extremo várias vezes e de várias maneiras, mas tudo com filho é bem mais radical. Hoje a manhã foi estressante: Tito só queria meu colo o tempo todo (não consegui nem tomar banho antes de sair), culminando com uma garrafa quebrada do lado dele (por ele), mas sem machucar, graças aos deuses, e com uma entrada horrível na escola!  Ele no meu colo sem querer sair, a professora pegando ele e demorando muito para entrar. Resultado: beiço e berreiro e o posterior surto da mãe. Muito muito difícil a maternidade, muitas vezes beirando o impossível. Sorte que meu filho é o Tito, o mais fantástico, alegre e bacana do mundo!
Mas, nesse contexto, o que fazer com o resto da minha vida? Onde é que cabe tudo que não é ele? E meus estudos? Meu trabalho? Meu doutorado? Minhas outras aspirações? Às vezes isso tudo parece ainda mais distante e até mesmo impossível! Sei que estou num dia pessimista, mas só pra dizer que ser mãe e ser pai é bem complicado mesmo. Muitas vezes!

Um comentário:

  1. Amiga, não sou mãe, mas só de ver de perto quem é dá aflição, às vezes. Mas quando aquela coisinha ri e diz que gosta de você acho que compensa tudo, né? O mais importante é você não se acomodar. A vida é difícil e é fácil (tem dias que estamos pessimistas, tem dias que achamos que podemos tudo!), o importante é conseguimos encontrar um equilíbrio entre o que sonhamos e o que realizamos. Como diria uma amiga minha, Força (com F maiúsculo)!

    ResponderExcluir